domingo, 1 de julho de 2012

ENSINO RELIGIOSO - OBJETIVOS GERAIS


ENSINO RELIGIOSO

1.OBJETIVOS GERAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

Os Parâmetros Curriculares Nacionais indicam como objetivos do ensino fundamental que os alunos desenvolvam as capacidades de:

  • Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito;
  • Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
  • Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais, como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e do sentimento de pertinência ao País;
  • Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais;
  • perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente;
  • desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança na busca de conhecimentos e no exercício da cidadania;
  • conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos de qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e à saúde coletiva;
  • utilizar as diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir as produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação;
  • saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos;
  • questionar a realidade formulando problemas a si mesmo e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise e crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação.

2.OBJETIVOS GERAIS DO ENSINO RELIGIOSO PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

Os PCNER estabelecem , assim, os objetivos da disciplina Ensino Religioso definindo com clareza as inovações do Ensino Religioso para que atinjam os seus fins:

"O Ensino Religioso, valorizando o pluralismo e a diversidade cultural presentes na sociedade brasileira, facilita a compreensão das formas que exprimem o Transcendente na superação da finitude humana e que determinam, subjacentemente, o processo histórico da humanidade. Por isso necessita:

  • proporcionar o conhecimento dos elementos básicos que compõem o fenômeno religioso, a partir das experiências religiosas recebidas no contexto do educando;
  • subsidiar o educando na formulação do questionamento existencial, em profundidade, para que possa dar sua resposta devidamente informado;
  • analisar o papel das tradições religiosas na estruturação e manutenção das diferentes culturas e manifestações socioculturais;
  • facilitar a compreensão do significado das afirmações e verdades de fé das tradições religiosas;
  • refletir o sentido da atitude moral, como conseqüência do fenômeno religioso e expressão da consciência e da resposta pessoal e comunitária do ser humano;
  • possibilitar esclarecimentos sobre o direito à diferença na construção de estruturas religiosas que têm na liberdade o seu valor inalienável."

2.1. CARACTERIZAÇÃO DOS ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIE.

"É o período em que o educando começa a aprender a pensar sobre as coisas imaginárias, (ou seja, coisas que inventa, concebe ou elabora na sua imaginação) e ocorrências possíveis do cotidiano, passando assim da lógica indutiva para a dedutiva". Apresenta facilidade para a ação e reflexão – fazer e pensar sobre o que fez. Idealismo maior que o realismo. Busca novos valores e apresenta interesse pelos problemas da vida. Emocionalmente apresenta-se instável, ora alegre, carente de manifestações afetivas e de compreensão; sensível ao elogio e à incompreensão decorrentes das próprias transformações físicas, cognitivas e sociais.

Religiosamente o educando, nesse período, se orienta para um Transcendente mais próximo, mais pessoal, que se confunde um pouco com o ideal confuso que traz em si.

2.1.2 .OBJETIVO DA 6ª SÉRIE

Ao final desta série, aprendizagem do Ensino Religioso propiciará ao educando o conhecimento da evolução da estrutura religiosa no decorrer dos tempos, assim as ideologias religiosas que perpassam as redações dos textos sagrados e dos textos orais e aquilo que determina a verdade sobre o Transcendente para um grupo.

2.1.3 ENCAMINHAMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DA APRENDIZAGEM

Sendo a fase do pensamento lógico, para acompanhamento da aprendizagem dos alunos, o professor precisa perceber:

  • se o aluno está entendendo a evolução da estrutura religiosa no tempo;
  • se o aluno percebe a formação histórica da idéia do Transcendente e como as ideologias religiosas chegam a determinadas verdades;
  • se o aluno é capaz de ultrapassar o contexto sócio-político-religioso dos textos sagrados e entender a verdade neles contida e na experiência mística de um povo;
  • se o aluno está construindo seu entendimento sobre o fenômeno religioso.

2.2. CARACTERIZAÇÃO DO ALUNOS DA 7ª SÉRIE E 8ª SÉRIES.

É o "período escolar em que o educando amplia seus interesses e atividades", principalmente no campo intelectual, aumentando a sua capacidade de raciocínio, crítica e energia criadora. "Formula hipóteses, descobre pela reflexão a discrepância entre o ideal e o real, o juízo do certo e errado. E radicaliza nas atitudes. O agudo desejo de independência manifesta-se muitas vezes como agressividade e resistência à autoridade. Busca novas amizades fora do círculo familiar, e desenvolve a admiração ou a identificação com algum personagem jovem ou adulto tomando-o por modelo de comportamento. O educando nessa fase "busca o grupo como apoio para uma ação social, supera o egocentrismo fantasioso e tem desejo de uma formação da consciência moral".

No aspecto religioso, o educando sente necessidade de encontrar um objetivo na vida e muitas vezes se interessa pela religião. Por outro lado, revela-se crítico em relação à religião da família. Verdade não é mais o que lhe ensinam "como pronto e acabado", e então surgem as dúvidas religiosas.

2.2.1 OBJETIVO DA 7ª SÉRIE.

Ao final da 7ª série, a aprendizagem do Ensino Religioso propiciará ao educando o conhecimento do sentido da vida sustentado pelas crenças, doutrinas, normas e métodos de relacionamento com o Transcendente, com os outros, com o mundo e consigo mesmo nas tradições religiosas.

2.2.2 OBJETIVO DA 8ª SÉRIE.

Ao final da 8ª série, a aprendizagem do Ensino Religioso propiciará ao educando o conhecimento das possíveis respostas dadas à vida além-morte, pelas tradições religiosas orientadoras das crenças, normas e atitudes éticas dos fiéis, o que deve conduzi-lo ao estabelecimento de compromissos sociais solidários para a construção da cidadania.

3. ENCAMINHAMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DA APRENDIZAGEM

Neste período, em que o aluno está na fase da consciência moral, o professor precisa acompanhar a formação dessa consciência e o entendimento dos limites éticos colocados pelas tradições religiosas.

O professor precisa observar:

  • como o aluno expressa seu auto-conhecimento, o conhecimento do Transcendente e do mundo a partir do referencial que as tradições religiosas usam para regular o relacionamento humano (saber como o aluno se valoriza ou não, como trata o meio ambiente, como se relaciona com os colegas, enfim, como são suas práticas sociais);
  • como, a partir das respostas elaboradas por essas mesmas tradições, a respeito do sentido vida/morte, o aluno desenvolve o diálogo com os colegas, com segurança e sem proselitismo;
  • como o aluno percebe que as determinações religiosas influenciam na construção mental do inconsciente pessoal e coletivo.




3. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS EM BLOCOS DE CONTEÚDOS EM TEMAS POR AULA- ENSINO FUNDAMENTAL
5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série 5ª série
Blocos de conteúdos
Idéias - chaves (essenciais) dos conteúdos e a serem assimiladas no desenvolvimento dos temas.
1. Idéia do Transcendete
>Os significados do Transcendente na vida
>A construção da idéia do Transcendente no tempo e no espaço
2.Função política das ideologias religiosas
>A construção da verdade dos discursos religiosos
>O sistema de valores determinando atitudes e comportamentos em vista de objetivos religiosos
>As práticas religiosas e os mistérios
3.Revelação
>As verdades sagradas como referenciais da vontade do Transcendente
>A autoridade do discurso religioso fundamentada na experiência mística do seu emissor.
6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série 6ª série
1.Evolução da estrutura religiosa das organizações humanas
>A evolução da estrutura religiosa das Tradições Religiosas no decorrer dos tempos
>A sistematização da idéia do Transcendente pelas Tradições Religiosas
>A estruturação do mundo pessoal a partir da experiência do Transcendente e da Tradição Religiosa
2.Contexto cultural dos textos orais e escritos
> A construção cultural da palavra sagrada no tempo e no espaço, pelas Tradições Religiosas.
7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série 7ª série
1.Espiritualidade
>A experiência religiosa, elemento vital para o fiel
>A vivência com o mistério do Transcendente pelos ensinamentos, ritos e tradições
>Auto-conhecimento na vivência do relacionamento com Transcendente
2.Valores
>As exigências e qualidades éticas do procedimento humano na perspectiva da Tradição Religiosa.
>Orientações de vida nas normas, crenças e doutrinas das Tradições Religiosas.
3.Determinações da Tradição Religiosa sobre a pessoa
>Determinações das Tradição Religiosa na construção mental da pessoa.
8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série 8ª série
1.Limites
>O limite e a busca do translimite; A experiência religiosa na busca de superação da finitude humana
>A fundamentação dos limites éticos estabelecidos pelas Tradições Religiosas.
2.Verdades da fé
>A verdade nas Tradições Religiosas sob a ótica da fé
>A verdade que orienta as pessoas através dos mitos, crenças e doutrinas das tradições Religiosas
3.Vida além da morte
>As respostas elaboradas para vida além da morte pelas Tradições Religiosas (ancestralidade-reencarnação-ressurreição-nada)
>O sentido da vida perpassada pelo sentido da vida além-morte.

4. METODOLOGIA DO ENSINO RELIGIOSO ESCOLAR

Como nas demais disciplinas, é necessário pensar a operacionalização do trabalho docente,

Considerando-se que o ato de construção do conhecimento se dá a partir da relação sujeito/objeto (no Ensino Religioso o sujeito-aluno em relação ao objeto-fenômeno religioso), cabe ao professor munir-se de um instrumento (método) que o auxilie nessa articulação.

O tratamento didático dado a esta área do conhecimento nos PCNER, é: Observação – Reflexão – Informação.

4.1 OBSERVAÇÃO

Observar não é apenas uma experiência visual, mas diz respeito as condições externas e internas do observador, tais como idade, formação, história de vida, conhecimentos prévios etc. No caso do Ensino Religioso, as observações feitas, por exemplo, a propósito de um determinado símbolo, serão tão variadas quanto forem os educandos observadores e suas matrizes religiosas. O mesmo fenômeno, tomado como objeto de estudo, será observado diferentemente por professor e aluno. Isso não significa que a observação feitas pelo professor deva se sobrepor à do (s) aluno (s), mas que elas podem se complementar e se enriquecer. O professor age como orientador dessa observação seletiva para trabalhar os conceitos básicos do Ensino Religioso.

2.  REFLEXÃO

A Reflexão é um procedimento que acompanha todo o processo, desde a observação até a informação. Na realidade, não se trata de momentos isolados e estanques, mas de passos que se entrelaçam, se interligam, numa dinâmica, num movimento constante. O professor pode encaminhar a reflexão com questionamentos, diálogos, problematizações que promovam a conscientização, o entendimento e a decodificação do objeto de estudo, no caso, o fenômeno religioso. Essa decodificação progressiva permitirá ao aluno abrir sua visão, desarmar-se de preconceitos, discernir, perceber a unidade na diversidade das tradições religiosas, como, por exemplo, a defesa da vida, a busca do sentido da vida, a necessidade da transcendência.

4.3 INFORMAÇÃO

Pela informação, o professor ajuda o aluno a se apropriar do conhecimento sistematizado, organizado, elaborado, para que possa passar de uma visão ingênua, empírica, fechada, dogmatizada, desarticulada e muitas vezes incoerente para uma nova visão decodificada e explicitadora da realidade. Todos esses procedimentos devem necessariamente possibilitar que o alcance dos objetivos propostos pela disciplina Ensino Religioso sejam atingidos. A intencionalidade e a direção do processo ensino/aprendizagem no Ensino Religioso devem conduzir para a realização de dois aspectos: o primeiro de ordem interna, refere-se a aquisição do conhecimento religioso como tal; o segundo, de ordem externa, gera uma mudança qualitativa, que se expressa no "saber em si, no saber em relação ao saber em si" traduzidos em novas posturas de diálogo e reverência.

5. A AVALIAÇÃO NO ENSINO RELIGIOSO

Na educação e especialmente no ensino religioso, a avaliação tem um sentido amplo: além de "alimentar, sustentar e orientar a intervenção pedagógica como parte integrante e intrínseca ao processo educativo, envolve outros aspectos: sociabilidade, afetividade, postura, compromisso, integração, participação na expectativa da aprendizagem do aluno e de sua transformação. No caso do Ensino Religioso se observa nas atitudes de reverência para com o transcendente do outro, de respeito a alteridade e ao direito do outro de ser diferente, o desenvolvimento da capacidade de tolerância, assumindo a identidade pessoal com segurança e liberdade.

6.PRESSUPOSTOS DO ENSINO RELIGIOSO

Pressuposto 1: O Ensino religioso como parte integrante da formação básica do cidadão (artigo 33 LDBEN nº 9394/96).

Vem atender ä necessidade básica do ser humano. Alicerça-se nos princípios da cidadania, do entendimento do outro, enquanto outro. Mesmo que muitas pessoas neguem ser religiosas, é um dado histórico que toda pessoa foi preparada para ser religiosa, do mesmo modo que foi preparada biologicamente para falar determinada língua, gostar disso ou daquilo, comer de uma forma ou de outra, pois o ser religioso é um dado antropológico, cultural, presente no substrato de cada cultura. E no Brasil consititui a Base Comum Nacional.

Pressuposto 2: Ensino Religioso é um conhecimento que subsidia o educando para que ele se desenvolva sabendo de si (PCNER).

Como área de conhecimento, trata do conhecimento religioso. E esse conhecimento, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso (PCNER), não é uma mera informação de conteúdos religiosos, um saber pelo saber. É um conhecimento que, numa visão pedagógica progressista, oportuniza o saber em si: o educando conhecerá, ao longo do Ensino Fundamental, os elementos básicos que compõem o fenômeno religioso, para que possa entender melhor a sua busca do Transcendente.

Pressuposto 3: O Ensino Religioso é disciplina dos horários normais, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa e vedadas quaisquer formas de proselitismo (artigo 33 LDBEN9394/96)

O Ensino Religioso parte sempre do convívio social dos educandos para que respeite a tradição religiosa trazida de suas famílias e assim se salvaguarde a liberdade de expressão religiosa de cada um. Só assim o educando se desenvolverá no desarmamento pessoal e no empenho mútuo, na paz e na fraternidade. Desse modo, fica claro que o Ensino Religioso não quer fazer prosélitos ( seguidores) qualquer tradição.

Pressuposto 4: O Ensino Religioso é conhecimento que constrói significados.

O Ensino Religioso é área de conhecimento da Base Comum Nacional cujo conhecimento constrói significados a partir das relações que o educando estabelece no entendimento do fenômeno religioso. E essa construção vai-se arquitetando pela observação do que se constata, pela reflexão do que se observa e pela informação sobre o que se reflete.

É ao longo do Ensino Fundamental que o educando atualiza seu conhecimento através da reflexão sobre as experiências percebidas, compreende, numa análise, o significado delas para a vida e entende as atitudes morais diferenciadas como conseqüência do fenômeno religioso que instiga as indagações existenciais: Quem sou ? De onde vim? Para onde vou?

Pressuposto 5: Ensino Religioso e o sujeito – como -sujeito

O Ensino Religioso desenvolve o conhecimento na tríplice relação: educando-educador, o que torna necessário admitir:

  • que o educador é o profissional mediador do processo, disponível para o diálogo e capaz de articulá-lo a partir do convívio dos educandos;
  • que o conhecimento do fenômeno religioso é percepção, análise e informação do que aparece e como aparece na relação com o Transcendente;
  • que o educando é a pessoa, sujeito - como sujeito, manifestação da realidade e da alteridade. É na sala de aula, onde cada um pode se exprimir como é, ele mesmo, sem máscaras e sem disfarces, que todos se tornam sujeitos na construção de si.


SolBatt agradece sua visita!